A difusão e triunfo do cristianismo

Ao desligar o cristianismo do judaísmo, São Paulo tornou a nova religião exportável para o mundo greco-romano. Mas seu crescimento foi vagaroso. Desde sua origem no século I, o cristianismo deitou raízes firmes no século II, cresceu bastante no século III e tornou-se a religião oficial do Império Romano no final do século IV.

 

A atração do cristianismo

 

O triunfo do cristianismo relacionou-se com o declínio correspondente na vitalidade do helenismo e com a mudança da ênfase cultural: o movimento da razão para emoção e a revelação. Oferecendo soluções confortadoras para os problemas existenciais da vida e da morte, a religião demonstrou uma capacidade maior que a da razão de comover os corações humanos. O helenismo inventara os instrumentos do pensamento racional, mas o poder do pensamento mítico jamais desapareceu totalmente. Ao final do Império Romano, a ciência e a filosofia foram incapacidade de competir com o misticismo e o mito. Os cultos de mistérios, que prometiam a salvação pessoal, difundiram-se e ganharam seguidores. Os neo-platônicos ansiavam pela união mística com o Uno. A astrologia e a magia, que ofereciam explicações sobrenaturais par aos fenômenos da natureza, também eram populares. Esse abandono dos valores racionais e terrenos contribuiu para preparar o caminho para o cristianismo. Num mundo greco-romano culturalmente estagnado e espiritualmente perturbado, o cristianismo deu à vida um significado novo e ofereceu uma nova esperança a homens e mulheres desiludidos.

 

A mensagem cristã de um salvador divino e um Pai interessado, bem como do amor fraternal, inspirou homens e mulheres desocntentes com o mundo em que viviam, que não se sentiam ligados à cidade ou ao império, que não tinham inspiração na filosofia e que sofriam de um profundo sentimento de solidão. O cristianismo oferecia ao homem aquilo que a acidade e o Estado mundial romano não lhe podiam dar: uma relação profundamente pessoal com Deus, uma ligação íntima com um mundo superior e a participação numa comunidade de fiéis que se preocupavam uns com os outros.

 

Ressaltando o intelecto e a autonomia, o pensamento greco-romano não satisfazia as necessidades emocionais do homem comum. O cristianismo procurou preencher essa lacuna da perspectiva greco-romana. Os pobres, os oprimidos e os escravos foram atraídos pela personalidade, vida, morte e ressurreição de Jesus, pelo seu amor a todos e sua preocupação com a humanidade sofredora. Encontraram apoio espiritual numa religião que estendia a mão do amor e ensinava que o valor da pessoa não dependia de seu nascimento, riqueza, educação ou talento. aos que se curvaram sob o peso das infelicidades e o terror da morte, o cristianismo oferecia a promessa da vida eterna, de um reino dos céus onde seriam reconfortados pelo Deus Pai. Assim deu ao homem e comum aquilo que os valores aristocráticos da civilização graco-romano não podiam dar – esperança, senso de dignidade e força interior.

 

 

O êxito do cristianismo deveu-se não apenas ao apelo de suas mensagens, mas também ao vigor de sua instituição, a Igreja, que cresceu e se transformou numa organização poderosa, unindo todos os fiéis. Aos moradores das cidades, solitários, alienados, desiludidos com os negócios públicos – mortais desamparados em busca de um sentido de comunidade –, a Igreja, que chamava seus membros de irmãos e irmãs, satisfazia à necessidade elementar dos seres humanos de pertencer a algo. Recebia bem as mulheres que se convertiam, e muitas vezes elas ingressavam primeiro que os maridos, trazendo-os depois. Entre outras razões, a Igreja atraía as mulheres porque mandava que os maridos tratassem as esposas com bondade, fossem fiéis e sustentassem os filhos. A Igreja conquistou novos e conservou a fidelidade dos antigos proporcionando assistência social aos pobres e enfermos, recebendo escravos, criminosos, pecadores e outros párias, e estendendo a mão da fraternidade e do conforto em momentos de dificuldade.

 

A capacidade que teve o cristianismo de assimilar elementos da filosofia grega, e mesmo das religiões de mistérios, também contribuiu em grande parte para seu crescimento. Recorrendo à filosofia grega, o cristianismo pôde apresentar-se em termos compreensíveis aos versados na língua grega e, dessa forma, atrair pessoas cultas. Os conversos instruídos em filosofia mostravam-se hábeis defensores de sua fé recém-adotada. Como algumas das doutrinas cristãs(o Deus – Salvador renascido, a virgem e seu filho, a vida após a morte, a comunhão com o divino) e de suas práticas (purificação pelo batismo), bem como os dias santos (25 de dezembro era a data de nascimento do deus Mitra), encontravam paralelo ou vinham das religiões de mistérios, foi relativamente fácil conquistar conversos entre elas.

 

 

ico_tatianeby Tatiane

 

Veja também:

Introdução – “Primórdios do cristianismo uma religião mundial

Parte 1: “Jesus a transformação moral do individuo”

Parte 2: “São Paulo: de seita judaica a religião mundial

Parte 3: “Difusão e triunfo do cristianismo”

 

parte 4: “O cristianismo e Roma”

 

em breve – Cristianismo e a filosofia grega

 

 

 

Anúncios

11 Respostas to “A difusão e triunfo do cristianismo”

  1. Damon Abdiel Says:

    […] A difusão e triunfo do cristianismo […]

  2. Fernando Neto Says:

    Gostaria de saber se os primeiros índios brasileiros tiveram a possibilidade de se salvarem sem o conhecimento do Evangelho.

    • Carlos Says:

      Sim, pois ele transavam sem camisinhas, onde a igreja não permitia, então é meio óbvio que eles não dependiam da religião

  3. Khátyannia Says:

    […]ótimo…bom demais saber sobre o cristianismo[…]

  4. Khawana Naiê Silva Says:

    tirei nota ótima com estes resumos maravilhosos

  5. sah Says:

    holla
    desde ja agradeço pela ajuda esta resumido em palavras que todos conseguem entender
    valew
    dta

  6. Pedro Filho Says:

    O Brasil precisa de bons historiadores que facilitem de forma prática o que precisamos saber,mas deve ser com amor e por amor a profissão abraçada.Parabens !!!

  7. CELSO OLIVEIRA Says:

    SERIA INTERESSANTE TER REFERÊNCIAS SOBRE OS TEXTOS POSTADOS PARA QUE POSSAMOS CONTRIBUIR COM COMENTÁRIOS QUE NOS PERMITA CRIAR DISCUSSÕES SAUDÁVEIS.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: